Blog Fastmotos

Destaques

set
2

Dicas: Qual moto comprar para ir trabalhar

Por Hiderlanio em Dicas | Tags: , , | Dicas: Qual moto comprar para ir trabalhar

O melhor transporte para o trabalho é e sempre será o coletivo, mas em nosso país ele é tão ruim que sequer é considerado por quem pode ter uma moto, que é a segunda melhor forma de transporte diário. Para pessoas leigas, escolher a moto ideal para o dia a dia é tão difícil quanto escolher sapatos novos. E foi para elas que escrevemos este artigo.

Existem pessoas que trabalham próximo de casa e existem que pessoas que não tiveram essa sorte. A distância do emprego tem grande importância na escolha, bem como o que pode ser gasto e o tipo de roupa e calçado utilizados. De fato, é complicado escolher uma moto para ir ao trabalho, sobretudo quando a mais interessante do ponto de vista emocional está longe de ser a ideal.

Menos de 1 Km
Essa distância pode ser facilmente vencida com uma bicicleta, mas ela faz transpirar e isso é muito ruim àqueles que precisam expor boa aparência (e exalar bom odor…). As motos elétricas surgem como opção ideal, já que em trajetos planos elas vão muito bem e dispensam recarga diária. As cinquentinhas também são ótimas, desde que sejam bem manuseadas, pois é preciso aproveitar a pouca potência do motor usando as marchas. Vale lembrar que elas vão mal em avenidas e não podem trafegar por vias expressas e rodovias.

Aos mais pesados é recomendável underbones de 100 a 125 cc, como Crypton e Biz. Elas andam bem, são econômicas, práticas e charmosas. Streets de 125 e 150 cc também podem ser colocadas como opção, desde que seja considerado manutenção, consumo e peso, bem maiores que os das pequenas.

Mais de 3 Km
Velocidade de cruzeiro é aquela que dá conforto aos ouvidos e à paciência. Quem anda mais de três quilômetros para chegar ao trabalho precisa de um motor capaz de manter 80 km/h por muito tempo, para  não ter que forçá-lo ou prejudicar a fluidez do trânsito. A partir daqui, só Crypton 115 para cima.

Grandes distâncias aumentam muito o gasto mensal; pneus, lubrificante e lavagens devem ser incluídas no orçamento. Quem ganha um pouco mais pode aventurar-se nas 250/300 sem problemas. E se no caminho houver quilômetros de pavimento ruim (algo fácil de encontrar…), os modelos de uso misto como Bros e XRE são amigas da coluna vertebral. De quebra, o medo de acertar buracos é consideravelmente menor.

Mais de 10 Km
Aqui, além de velocidade de cruzeiro, também é muito importante a reserva de potência. Tomar empurrões (quando um veículo maior quer “passar por cima”) é extremamente perigoso e ter potência sobrando para fugir dessas situações é tão bom quanto ter potência para realizar ultrapassagens seguras.

Em velocidades normais, entre 80 e 110 km/h, os motores maiores trabalham em rotação menor. Trabalham “com conforto” e isso reduz o estresse do piloto e o consumo. Como exemplo disso, a Fazer 250 é mais econômica que uma Fan 125 em velocidades elevadas. Para quem roda muito, os gastos extras na aquisição e na manutenção de uma 250/300 valem a pena pelo conforto, segurança e economia de combustível.

Como a ida ao trabalho é quase uma viagem, bons equipamentos de proteção são indispensáveis. Proteção é necessária não apenas para viajantes e pilotos.

Sapato social, tênis branco ou salto alto: o que fazer por eles?
É chato exibir a ponta do pé esquerdo com uma mancha preta. Para evitar isso basta um pedal de câmbio duplo, como o da Biz, ou um scooter. Aliás, esses são melhores que a moto para quem trabalha em traje social ou vestindo vestido/saia. Em relação ao salto alto, ele dificulta ou até impossibilita as tarefas de cambiar e frear. Quem precisa deles têm que partir para os scooters.

É bom ressaltar que nosso mercado está repleto de scooters, com motores que vão das 50 às 650 cc. Portanto, não importa a distância: sempre tem um scooter ideal para o trajeto diário.

Dicas valiosas

  • Fuja dos câmbios duros, como os da Kasinski CRZ 150. Eles estragam calçados e machucam o pé;
  • Motores com mais de um cilindro tendem a ter manutenção mais onerosa;
  • Assentos macios são bons para trajetos curtos. Motociclistas que passam mais tempo sentados devem dar preferência àqueles anatômicos de espuma densa, pois esquentam menos;
  • Suspensão traseira curta e dura dá dores na coluna;
  • É bom saber se a oficina da concessionária funciona em horário de almoço; isso é importante para quem só tem tempo nessas horas;
  • Manutenção preventiva evita imprevistos e consequentes atrasos;
  • Capas de assento brancas são ótimas para quem sente desconforto no calor.

Como sempre, a escolha é livre
Na hora de escolher a primeira moto ou trocar a atual, é crucial levar em consideração o limite que pode ser gasto com transporte, a distância a ser percorrida diariamente (ida e volta) e o tipo de roupa a ser utilizado no trabalho. Depois de comprá-la, é preciso fazer uma planilha para colocar IPVA, Licenciamento, DPVAT (divididos por 12), abastecimentos, trocas de óleo, revisões e outros gastos extras. Isso ajuda a manter tudo sob controle.

Por Diego M. de Sousa | Motoreport.com.br

Compartilhe:
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Yahoo! Buzz
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites
  • MySpace
  • Orkut
  • PDF
  • Rec6
  • Technorati

Tags: , ,

Related Posts with Thumbnails

Um Comentário para "Dicas: Qual moto comprar para ir trabalhar"

  1. Marcus de Sousa disse:

    Por algumas dessas razões escolhi a Yamaha Fazer, e espero não me arrepender da escolha!! Boa matéria pessoal , parabéns !!

Deixe Seu Comentário

+ 3 = 7

Feed

Assine o Feed RSS do Blog FastMotos, e acompanhe em tempo real todas todas as notícias e informações do FastMotos. É Grátis!
Clique e Assine!

Rede Sociais

  • Enquete

    Quantas cilindradas tem a sua moto?

    Ver Resultado

    Loading ... Loading ...
  • Vídeos

  • úsuarios Online


    Contador de visitas

    Twitter



    Paperblog :Os melhores artigos dos blogs

    Powered By Wordpress
    Fastmotos | Design Por Hiderlanio | Fale Conosco